Papilomavírus Humano (HPV) 

Principais dúvidas sobre o assunto:

shutterstock_639555388.jpg
Captura_de_Tela_2020-07-22_às_18.14.46

     Da sigla em inglês para Papilomavírus Humano (Human Papiloma Virus - HPV), os HPV são vírus capazes de infectar a pele ou as mucosas. Existem mais de 150 tipos diferentes, dos quais 40 podem infectar o trato genital. Destes, 12 são de alto risco e podem provocar cânceres em colo do útero, vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe e outros podem causar verrugas genital.

                                                                                                Podcast: tudo que você precisa saber sobre HPV

                       

Como o HPV se manifesta?

     Na maioria dos casos, o HPV não apresenta sintomas e é eliminado pelo organismo espontaneamente. O HPV pode ficar no organismo durante anos sem a manifestação de sinais e sintomas. Em uma pequena porcentagem de pessoas, determinados tipos de HPV podem persistir durante um período mais longo, permitindo o desenvolvimento de alterações das células, que podem evoluir para as doenças relacionadas ao vírus. Essas alterações nas células podem causar verrugas genitais, lesão pré-maligna de câncer (também chamada de lesão precursora), vários tipos de cânceres, como os de colo do útero, vagina, vulva, ânus, pênis e orofaringe.

As verrugas genitais são muito comuns?

       

      Estima-se que aproximadamente 10% das pessoas (homens e mulheres)

terão verrugas genitais ao longo de suas vidas. As verrugas genitais podem aparecer

semanas ou meses após o contato sexual com uma pessoa infectada pelo HPV.

A transmissão só ocorre na presença de verrugas?

     

      Não. Na presença de lesões planas, não visíveis a olho nu, pode haver transmissão.

Quanto tempo após o indivíduo ser infectado surgem as lesões ou as verrugas genitais?

     O período necessário para surgirem as primeiras manifestações da infecção pelo HPV é de aproximadamente 2 a 8 meses, mas pode demorar até 20 anos. Assim, devido a esta ampla variabilidade para que apareça uma lesão, torna-se praticamente impossível determinar em que época e de que forma um indivíduo foi infectado pelo HPV.

 É possível que indivíduos que não tenham relações sexuais há vários anos possam vir a desenvolver verrugas genitais?

 

   Sim. O contato com o vírus HPV pode ter ocorrido há vários anos e este permaneceu no organismo. A diminuição da resistência do organismo pode desencadear a multiplicação do HPV e, consequentemente, provocar o aparecimento de lesões clínicas e/ou subclínicas.

Quais os tipos de HPV mais comuns que podem causar câncer?

 

    Pelo menos 12 tipos de HPV são considerados oncogênicos, apresentando maior risco ou probabilidade de provocar infecções persistentes e estar associados a lesões precursoras. Dentre os HPVs de alto risco oncogênico, os tipos 16 e 18 estão presentes em 70% dos casos de câncer do colo do útero, mas também em outros sítios como em vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca.

Há cura para a infecção pelo HPV?

   Na maioria das vezes, o sistema imune consegue combater de maneira eficiente a infecção pelo HPV, alcançando a cura com eliminação completa do vírus, principalmente entre as pessoas mais jovens. Algumas infecções, porém, persistem e podem causar lesões. As melhores formas de prevenir essas infecções são a vacinação preventiva e o uso regular de preservativo. É importante ressaltar que qualquer lesão causada pelo HPV precisa de acompanhamento médico para tratamento e prevenção de doenças mais graves.

Quais são as formas de tratamento para as lesões provocadas pelo HPV?

 

     Os tratamentos existentes têm o objetivo de reduzir, remover ou destruir as lesões proporcionadas pelo HPV. São eles: químicos, cirúrgicos e estimuladores da imunidade. ATENÇÃO! O uso de medicamentos sem indicação médica para as lesões provocadas pelo HPV não é recomendado, pois pode levar ao risco de aparecimento de efeitos adversos que podem trazer danos à saúde.

No Brasil existem dois tipos de vacina HPV. Qual a diferença entre elas?

 

      Até o momento foram desenvolvidas e registradas duas vacinas. A vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante) – vacina HPV quadrivalente, que confere proteção contra HPV tipos 6, 11, 16 e 18, e a vacina bivalente que confere proteção contra HPV tipos 16 e 18. A vacina HPV quadrivalente está aprovada no Brasil para prevenção de lesões genitais pré-cancerosas de colo do útero, de vulva e de vagina em mulheres, de pênis em homens e anal em ambos os sexos, relacionadas aos HPV 16 e 18, e verrugas genitais em mulheres e homens, relacionadas aos HPV 6 e 11. A vacina bivalente está aprovada para prevenção de lesões genitais pré-cancerosas do colo do útero em mulheres, relacionadas aos HPV 16 e 18. Conforme registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), essas vacinas possuem indicações para faixas etárias distintas. A vacina HPV quadrivalente tem indicação para mulheres e homens entre 9 e 45 anos de idade, e a vacina bivalente tem indicação para mulheres a partir de 9 anos, sem restrição de idade.

Fonte: Ministério da Saúde

    Agende uma consulta e tire suas dúvidas!

 

        

shutterstock_1470251978.jpg